Amamentar, é o maior prazer de uma mãe e um verdadeiro ato de amor da maternidade. Segundo a Organização mundial de saúde, o bebê deve ser amamentado exclusivamente com leite materno até os 6º mês de vida. Após esse período novos alimentos e bebidas podem e devem começar a fazer parte da vida do bebê com desmame ou não. Algumas mamães conseguem amamentar a criança até o segundo ano de vida e isso é ótimo para a saúde da criança e vinculo entre mãe e filho.

Porém, por algum motivo maior ou mesmo quando chega a hora inevitável do desmame alguns medos ou dúvidas podem chegar até a mamãe. Será que o bebê vai sofrer com o desmame? Será que é mesmo o momento certo para desmame? Como fazer o desmame? A primeira e melhor coisa a se fazer é com certeza conversar com o pediatra sobre o assunto, ele pode indicar a melhor forma de desmame para seu caso e aconselhar como deve ser feito, porém algumas decisões podem começar a ser tomadas em relação ao desmame. Dependendo da idade do bebê, se a mãe tem que voltar ao trabalho, ela pode começar a deixar o próprio leite armazenado para dar ao bebê quando não tiver em casa. Ordenha é uma ótima opção para casos em que o desmame tem que ser feito durante o dia justamente pelo retorno da mãe ao trabalho. Embora atualmente tenham leis que asseguram horários para que a mãe possa amamentar seu bebê, certo período fora de casa pede que a mulher tenha que ajustar essas mamadas.

Outro caso é de quando o bebê passa dos 2 anos e o pediatra aconselha ou mesmo por própria vontade da mãe ou força maior, o desmame tem que acontecer. Uma criança com mais de 2 anos pode sim continuar sendo amamentada no peito por vontade da mãe, porém devemos salientar que todos os nutrientes que ela receberia via amamentação podem e devem ser introduzidos em forma sólida para ajudar no seu desenvolvimento natural. Com a introdução de novos alimentos para facilitar o desmame, o bebê pode tomar muito gosto pelas novas opções de alimentos que estão sendo oferecidas e ficar tudo muito mais fácil, inclusive, alguns bebês deixam o peito por própria vontade e sem que nenhum procedimento precise ser feito para o desmame. A introdução de outro leite é muito importante e esse deverá e será recomendado pelo pediatra que acompanha o bebê.

Mas como fazer então o desmame se o bebê é muito acostumado ao seio?

Existem algumas técnicas para desmame, algumas um tanto radicais como a abstinência total da mama (retirada absoluta e de uma só vez) e algumas técnicas como passar alguma coisa com gosto ruim (babosa, boldo e etc) para mostrar ao bebê que o seio que ele tanto gostava ficou amargo. São duas formas que podem ser eficientes porém um tanto traumatizante para o bebê. O ideal seria o desmame gradual, onde a mãe retira aos poucos as mamadas que não são tão importantes assim para o bebê. Essas mamadas podem começar a ser substituídas aos poucos por lanches, frutas e até mesmo vitaminas naturais ou sucos.

Por último a fase mais importante, as mamadas que restaram, ou seja, completar o desmame em si com a retirada total. Essas mamadas que ficaram normalmente são as noturnas, em que o bebê tem um contato mais intenso com a mãe na hora de dormir depois de um dia todo sem estar ao seio. Essas sim são as mais complicadas e mais difíceis de retirar… Difícil para mãe, pois a amamentação é um vinculo emocional muito forte com o seu filho, é um momento de intimidade e que completa e muito uma mulher. Difícil para a criança que estava acostumada desde sempre ao aconchego do seio e alimento materno. O desmame da mamada noturna pode acontecer substituindo o seio por um carinho, um momento de atenção e colo em conjunto com um novo lanchinho ou leite apropriado para a idade da criança, claro que não será a mesma coisa da cumplicidade do mamar e olhos nos olhos, mas amenizará e muito a carência desses momentos, para o bebê o que importa é ter a atenção e a mamãe por perto.

Quero desmamar, vou continuar tendo leite? Não, normalmente com a parada da amamentação a tendência que o leite seque sozinho, porém se isso não acontecer, existem medicamentos que podem ajudar que isso aconteça e basta falar com um ginecologista ou mesmo o pediatra do bebê. Lembrando que se tudo der certo mas o lado emocional pesar mais, voltar atrás e oferecer novamente o seio não é ruim ou feio, claro que pode acontecer. Claro com a mãe consciente que todos os procedimentos anteriores deverão ser feitos novamente na hora de desmamar ou mesmo esperar a criança largar por si só.

Nota da Blogueira: O desmame pode ser um momento muito complicado para a mãe, o sentimento de “perda” pode falar mais alto em meio ao turbilhão de sentimentos. Mas saiba, você não será uma mãe pior por desmamar o seu bebê. Há certas situações que pedem que o desmame aconteça independente da sua vontade. Se você pode amamentar em livre demanda até o 2º ano de vida da criança ótimo! Mas se não tem essa possibilidade acredito que mãe nenhuma faria algo para prejudicar seu bebê principalmente o desmame precoce forçado sem motivo aparente e maior. Todo o processo de desmame deve e vai ser supervisionado por médicos que são especialistas e sabe o melhor para o bebê. Amamentar exclusivamente até o 6º mês e depois introduzir alimentos é um processo natural e todo bebê passa por isso mais cedo ou mais tarde de forma natural.

Veja também: Primeira Alimentação – Papinha Para Bebê

Foto: Etolane