O endométrio espessado ou hiperplasia endometrial é caracterizado pelo revestimento uterino muito grosso (espesso). A condição de endométrio espessado provoca hemorragia que leva ao aumento da produção de estrogênio no corpo, à menstruação irregular e à queda dos níveis de progesterona.

A hiperplasia endometrial também é conhecida como patologia não-cancerosa que pode vir a aumentar o risco de câncer endometrial. Confira quais os tipos de Hiperplasia Endometrial na tabela a seguir:

Hiperplasia Simples do Endométrio Trata-se do espessamento homogêneo do tecido endometrial
Hiperplasia Focal do Endométrio É caracterizada pela exposição dos pólipos fora da cavidade uterina e pelo ligeiro estreitamento do tamanho do útero.
Hiperplasia Cística do Endométrio É caracterizada pelo aspecto irregular do útero (cavidades irregulares que se assemelham ao ‘queijo suíço’), em casos mais graves, essa condição pode estar associada ao câncer do endométrio.
Hiperplasia Atípica do Endométrio Esta é uma condição de lesão do endométrio mais grave que geralmente está associada ao câncer endometrial e demanda como tratamento a retirada do útero.

Características do Espessamento Endometrial

O hormônio estrogênio está intimamente ligado à construção do revestimento do útero, mas o equilíbrio no crescimento deste revestimento depende da progesterona, em caso de produção de progesterona abaixo do normal, ocorre o espessamento do endométrio e há alguns problemas que podem desencadear no desequilíbrio nos níveis dos hormônios estrogênio e progesterona.

Causas

As principais causas são:

  • Problema de diabetes
  • Algum tipo de terapia que envolve o estrogênio sem a reposição da progesterona
  • Estar acima do peso, beirando ou na obesidade
  • Síndrome dos Ovários Policísticos (SOP)

Sintomas

O espessamento se expressa através de sinais como:

  • Corrimento vaginal
  • Sangramento entre os ciclos menstruais (escape)
  • Dores no abdômen e cólicas
  • Dor na região pélvica
  • Secura vaginal
  • Crescimento capilar
  • Ondas de calor
  • Alterações no humor
  • Dores durante as relações sexuais
  • Frequência cardíaca aumentada
  • Aumento do tamanho do útero

Endométrio Espessado e Heterogêneo

O câncer ou carcinoma endometrial é o tipo de neoplasia ginecológica mais comum em países desenvolvidos, mas hoje, graças à tecnologia, é possível detectar o problema precocemente e iniciar prontamente o tratamento, sendo assim, este problema não se configura em uma das principais causas de morte por câncer.

Um endométrio espessado e heterogêneo geralmente é caracterizado por espessamentos de mais de 5 mm e a heterogeneidade (ou irregularidades) é geralmente resultado de patologias em evidência.

Endométrio Espessado na Menopausa

De acordo com a pesquisa Ultrassonografia transvaginal no diagnóstico das patologias endometriais no menacme e menopausa, o espessamento endometrial é caracterizado por um endométrio de 5 mm ou mais na ultrassonografia de mulheres na menopausa, que não realizaram terapia à base de hormônios.

Depois da menopausa, em uma avaliação do endométrio, uma série de fatores são levados em conta como o histórico clínico da paciente e se houve a terapia hormonal. O endométrio espessado na menopausa pode se apresentar logo após o primeiro ano após o último ciclo menstrual, assim como um endométrio normal pode se apresentar consideravelmente mais espesso do que anos depois da menopausa, devido aos níveis flutuantes de estrógeno.

Em casos de mulheres que realizam a terapia hormonal unida à terapia cíclica envolvendo estrogênio e progestínico, a espessura endometrial pode apresentar variação de até 3 mm, o endométrio pode se apresentar mais espesso antes e mais fino após a administração progestínica.

Tratamento

O endométrio espessado ou hiperplasia endometrial geralmente é tratado por meio da administração de drogas contraceptivas que contenham o hormônio progesterona. Há casos mais extremos que demandam a histerectomia (procedimento que envolve a remoção de partes do útero ou de sua totalidade). A hiperplasia se não detectada e tratada precocemente pode levar ao câncer culminando para o procedimento de remoção do órgão.

A Gravidez é Possível em Casos de Endometriose?

Sim, é possível engravidar, mas isso demandará da mulher e de seu companheiro a espera até que o tratamento seja finalizado de acordo com todos os passos que requer. A administração de anticoncepcionais se torna essencial no tratamento, por isso é importante que a mulher controle a ansiedade em relação ao desejo da maternidade, siga o tratamento adequado e o mais importante, que não enxergue o tratamento como um impedimento do sonho de ser mãe.

O tratamento é o que restituirá a saúde e as condições para, inclusive, ter uma gestação tranquila e feliz. Em casos de quaisquer sintomas anormais, procure o médico para que solicite os devidos exames. A detecção precoce do problema previne males mais graves.

Foto: BruceBlaus

Veja Também: Endométrio e Gravidez – Casamento Perfeito