Logo após o parto, a primeira coisa que os pais fazem é verificar e até mesmo questionar ao médico se o bebê é saudável e perfeito. Obviamente não deixarão de amar seu filho caso não seja, mais é uma das grandes preocupações comuns dos pais. Muitos nascem com a cabeça torta, unhas enormes, cabelo desproporcional e também pode ocorrer o estrabismo em bebê, o que é totalmente normal nos primeiros dias de vida.

O estrabismo em bebê é comum no primeiro mês de vida do bebê, pois nesta fase eles ainda esta aprendendo a enxergar e usar os olhos, por isso pode ficar se movimentando de um lado para o outro sem parar procurando um foco. Após o primeiro mês, caso os olhos não se alinhem em um único foco um medico oftalmologista deve ser procurado. O estrabismo ou vesgueira como é chamado popularmente é uma disfunção muscular dos olhos onde é dificultado que os dois olhos sigam o mesmo foco, fazendo que cada um vire para lados opostos.

O movimento natural dos olhos é feito por 6 músculos em cada lado dos olhos que são comandados pelo sistema nervoso central, e para ter o funcionamento correto necessitam trabalhar em total harmonia. Em muitos dos casos o estrabismo em bebê já ocorre desde o nascimento, pode ser uma condição hereditária tanto do lado paterno como materno. Existem também os casos sem histórico familiar, normalmente recorrentes de outros fatores como a dificuldade motora para controlar os movimentos dos olhos sendo diagnosticado como hipermetropia.

Problemas ou doenças neurológicas como paralisia cerebral pode ser responsável pelo estrabismo em bebê. Doenças genéticas como a síndrome de down ou doenças infecciosas como a meningite também tem como sintoma a perda de foco dos olhos, causando a vesgueira. Outro problema que pode ocorrer é a ambliopia, que é chamado de forma popular como “olho preguiçoso”. A situação ocorre quando a visão de um dos olhos para de receber comandos do cérebro decorrente da dificuldade de enxergar. O bloqueio da visão pode ocorrer devido a miopia, hipermetropia ou astigmatismo ou ate mesmo devido a uma catarata congênita fazendo que o olho pare de trabalhar como deveria. O tratamento quando realizado de forma adequada, faz que o funcionamento do olho se normalize, voltando a suas funções.

Como Diagnosticar e Tratar?

Como citamos acima, é comum notarmos alguma diferença ou incorreção nos olhos dos bebês recém-nascidos até 1 mês de vida. Após este período, caso os olhos não centralizem um pediatra deverá ser consultado para avaliação. Caso seja constatado o estrabismo em bebê será solicitada uma consulta com um oftalmologista. No caso de bebês que sofrem com a ambliopia é mais complicado de se fechar um diagnóstico, já que é possível enxergar com o outro olho em funcionamento normal e é mais difícil notar alguma diferença nos olhos. Sendo necessária uma avaliação de oftalmologista para ter certeza da real situação.

Quanto ao estrabismo, assim como qualquer outro tipo de problemas nos olhos o diagnóstico 100% seguro será dado por um especialista. Após analisado e diagnosticado o real motivo do estrabismo em bebê, o tratamento deverá ser iniciado. Deve-se levar em consideração as causas e os fatores de risco associados ao problema.

Bebê com óculos para correção

Quando o estrabismo em bebê ocorre devido à hipermetropia o melhor tratamento para correção é com o uso de óculos. Quanto antes for iniciado, mais rápido e eficaz será o resultado. Por isso é possível encontrar óculos adaptados para uso em bebês. Esses óculos que são coloridos, emborrachados e devem ser utilizados com ajustes de elástico ou tecido para que não caiam facilmente do rosto do bebê.

Em casos persistentes que não consiga resolver através dos óculos, é indicada a cirúrgia de reparação, que não serve para alinhamento dos olhos e sim para ajustar o funcionamento dos músculos dos olhos que são responsáveis por essa função. Lembrando que se trata de um problema não tão simples, mas que pode ser reparado através de tratamento ou cirúrgia. Quanto antes for iniciado o tratamento e quanto mais novo o bebê for tratado, mais rapidamente o problema será sanado.

Veja também: Criança com Dor de Cabeça – O que Pode Ser?

Fotos: orbis, chuck holton