Devido a vida corrida de homens e mulheres nos últimos tempos, em busca cada vez mais de crescer profissionalmente e de alcançar novos objetivos, o sonho da maternidade vai sendo deixado em segundo plano. Com isso, os métodos de fertilização que eram considerados ultimas opções, tem aumentado em sua procura, como é o caso da inseminação artificial.

O que é Inseminação Artificial?

A inseminação artificial ou IA, sigla por qual é conhecida pelos especialistas, é um procedimento parecido com o de fertilização in vitro (FIV), a única diferença é que não é implantado o embrião no útero, mas sim injetado os espermatozoides escolhidos dentro do canal vaginal até a entrada do útero, afim de facilitar a concepção.

No método de inseminação artificial, o casal é totalmente assistido pelo especialista em reprodução humana, para garantir uma boa produção de óvulos saudáveis, assim como a escolha dos melhores espermatozoides para fecundação.

IMPORTANTE: O método de inseminação artificial é indicado para casos mais simples de fertilização, como mulheres mais jovens férteis e para homens com problemas simples de infertilidade

Indicação da Inseminação Artificial

Normalmente o método é indicado para mulheres que possuem uma grande acidez vaginal, onde matam os espermatozoides ou em problemas de mobilidade dos espermatozoides, onde não conseguem e nem tem força o suficiente para chegar até o útero.

Problemas com a anatomia uterina também pode ser uma possível indicação para realizar a inseminação artificial e auxiliar o casal a realizar seu sonho de ter um bebê. Caso o homem tenha problemas de infertilidade, pode ser indicado o banco de sêmen para conseguir concluir a inseminação artificial.

Como é Realizada a Inseminação Artificial?

O procedimento da inseminação artificial é iniciado a partir da consulta com o médico especialista em reprodução humana. Outros métodos podem ser oferecidos como tentativa, porém a inseminação artificial é o procedimento com menor custo.

Exames avaliatórios de fertilidade serão solicitados para o casal, ambos devem fazer para confirmar a indicação de qual procedimento ser realizado. Anotações sobre histórico familiar, avaliação da massa corpórea e exames de reserva ovariana e um espermograma para avaliar a qualidade dos espermatozoides serão necessários.

  • Estimulo ovariano – Pode ser iniciada a inseminação artificial no ciclo natural da mulher, se assim o especialista achar viável. Mas normalmente é recomendado o uso de indutores de ovulação para garantir um desenvolvimento múltiplo de óvulos.
  • Ultrassom – Serão necessários alguns ultrassons para acompanhar a evolução e desenvolvimento dos óvulos, assim como sua maturação. Quando atingirem o tamanho ideal é aplicada uma injeção de HCG para auxiliar na maturação do óvulo e assim estar pronto para ser fecundado.
  • Coleta do sêmen – A coleta dos espermatozoides deve ser realizada no dia da introdução, algumas horas antes. Tempo suficiente para que o laboratório examine e prepare para potencializar o resultado na fecundação.
  • Inseminação – Através de um cateter apropriado para fecundação, os espermatozoides selecionados são introduzidos através do canal vaginal até a entrada do útero.

Após a realização do procedimento de inseminação artificial, agora é hora de aguardar se tudo ocorreu conforme o esperado. Será necessário pelo menos de 7 a 10 dias para confirmar se a gravidez ocorreu.

Aguarde o prazo indicado pelo especialista e faça o teste de gravidez, confirmando, você fará o primeiro ultrassom para confirmação e visualização do saco gestacional, assim como será iniciada toda bateria de exames de sangue para acompanhamento do desenvolvimento e inicio do pré-natal.

Chances da Inseminação Artificial não Dar Certo

Como no método de inseminação artificial não é realizado a implantação do embrião como na fertilização in vitro, as possibilidades de a gestação ocorrer são próximas ao de uma gestação natural. Já que a fecundação do espermatozoide ao óvulo pode ou não ocorrer.

Segundo especialistas, as chances de conseguir engravidar através do método de inseminação artificial é de 10 a 25%. Isso, se o casal fizer todos os exames solicitados pelo especialista em reprodução assistida, utilizar os medicamentos e tratamento de forma adequada.

As chances reduzem em casos de casais que se enquadram na indicação de fertilização in vitro e insistem em fazer a inseminação artificial. Portanto, é essencial que se realize o melhor procedimento indicado ao problema do casal.

Quando o Homem Não Pode Ser o Doador de Sêmen?

Após consulta com o especialista em reprodução humana, exames avaliatórios da fertilidade de ambos serão solicitados. Caso nesses exames, aponte que o homem tem algum problema de fertilidade que impeça a concepção, como ausência total de espermatozoides ou seja um portador do vírus HIV, o médico pode indicar o uso dos espermatozoides de um doador, através de um banco de sêmen ou de um doador conhecido do casal.

Nos bancos de sêmen, a escolha é realizada através de um catalogo entregue ao casal, onde consta todas as informações do doador, como etnia, cor do cabelo, idade, cor dos olhos, peso, altura, tipo sanguíneo e até mesmo profissão e hobbies do doador.

Todo material armazenado no banco de sêmen é passado por uma criteriosa avaliação e testados para descartar a presença de doenças transmissíveis ou genéticas. Para ter acesso e adquirir uma doação de sêmen, somente através de um médico especializado em reprodução assistida ou da clínica credenciada ao banco de sêmen.

Inseminação Artificial Caseira

Mesmo a inseminação artificial sendo um método considerado o de mais baixo custo da lista de opções da reprodução humana assistida, ainda sim, pode ser um valor muito alto para alguns casais.
Com isso, muitos casais têm encontrado como alternativa fazer a inseminação artificial caseira. Como o procedimento desse método basicamente é de levar o espermatozoide até o útero, é realizado, obviamente sem estrutura médica, sem os instrumentos especializados e sem análise laboratorial do sêmen.

O procedimento da inseminação artificial caseira deve ser realizado no período fértil, de preferência no dia do pico ovulatório. Testes de ovulação podem auxiliar na confirmação do período, facilitando que o procedimento seja realizado no dia mais propicio.

A coleta do sêmen pode ser feita diretamente em um copo coletor esterilizado (aqueles vendidos em farmácia para exame de urina) e é necessário o máximo cuidado para não deixar os espermatozoides em contato com o ar, já que isso faria com que todos morressem em alguns segundos. De preferência, a coleta deve ser no ato da inseminação caseira para aumentar as possibilidades de dar certo.

IMPORTANTE: Só utilize o sêmen se tiver certeza que se trata de um doador saudável. Se possível solicite exames antecipadamente para garantir.

Outra tática de coleta são as camisinhas, mas é necessário observar se elas possuem espermicida, se sim, matarão os espermatozoides rapidamente. Com uma seringa fina de 10ml, colete o sêmen e deitada, introduza na vagina com a ajuda de lubrificante o mais profundo que conseguir injetando para dentro do canal vaginal.

Não esqueça de verificar se o lubrificante usado tem espermicida também, senão terá o mesmo efeito da camisinha com espermicida, matando todos rapidamente. Recomendamos o uso de gels lubrificantes amigos da fertilidade como o FamiGel que fazem o papel do muco cervical, e aumentam as possibilidades de dar certo a fecundação.

Após o procedimento, aguarde a data da próxima menstruação para confirmar o atraso menstrual e faça um teste de HCG, ou de farmácia ou de sangue. A inseminação artificial caseira não é um método 100% seguro, mas pode funcionar.

Recomendamos que todos os procedimentos sejam realizados com acompanhamento médico e de preferência após realizar todos os exames necessários para avaliar as condições de saúde de ambos e descartando qualquer possibilidade de doenças, inclusive genéticas.
Foto: Herney